Möchten Sie zur deutschen Seite wechseln?JaNeina
Fechar
X
Compartilhar esta página
Press release
Press|Retail|Technology|Consumer Goods|FMCG|Promotion and Causal Retail|Point of Sales Analytics|Shopper|Portugal|Portuguese

Os consumidores estão a alterar os comportamentos em loja

17.12.2015

Os consumidores comparam cada vez mais os preços das lojas físicas com os das lojas online

De acordo com o estudo GfK, quatro em cada 10 compradores utilizam os telemóveis dentro das lojas físicas para comparar preços com os das lojas online. Para além disso, mais de um terço tira fotos dos produtos que quer comprar e quatro em cada 10 contactam amigos ou familiares para se aconselharem antes da compra.

Este comportamento deve-se ao facto de a esfera online se caraterizar pelo acesso imediato à informação, sendo que atualmente os consumidores estão a levar esta forma de estar para o interior das lojas físicas.

Nos 23 países analisados, a GfK verificou que os homens (42 por cento) superam as mulheres (37 por cento) no uso do telemóvel dentro de uma loja para comparar preços. A faixa etária mais ativa é a dos compradores com idade compreendida entre os 20-29 anos, com quase metade (49 por cento), seguidos das idades entre 15-19 e 30-39, ambas a 45 por cento.

Adrian Hobbs, diretor-geral de Online Pricing Intelligence na GfK, explica: "Com um número significativo de compradores a estar online enquanto estão dentro das lojas, é necessário responder e reagir rapidamente, visto que estes fatores são críticos para o sucesso, quer nas lojas físicas, quer no online. Isto é verdadeiramente importante, sobretudo para as lojas na Ásia e América do Sul. Aqui, os consumidores são mais ativos no uso dos seus telefones enquanto estão na loja."

Analisando país a país, conclui-se que os consumidores da Coreia do Sul, China e Turquia são os mais adeptos a comparar preços na loja através dos seus telefones, com 59, 54 e 53 por cento, respetivamente, assumindo que o fazem regularmente. Já os consumidores na Ucrânia, África do Sul e Índia são os menos propensos a participar nesta atividade, situando-se em apenas 11, 15 e 17 por cento respetivamente.

Contatar um amigo ou familiar para se aconselhar é igualmente importante para homens e mulheres.

Os homens e as mulheres partilham a mesma probabilidade de utilizar os telefones dentro de uma loja para entrar em contato com um amigo ou membro da família no sentido de se aconselharem na compra (40 por cento nas mulheres e 39 por cento nos homens). Já os jovens adultos com idades entre os 20-29 lideram esta atividade (48 por cento), enquanto os adolescentes dos 15-19 anos representam 47 por cento e a faixa dos adultos entre os 30-39 situa-se nos 40 por cento.

Este comportamento revela que os conselhos dados pelo círculo de amigos e família dos clientes estão cada vez mais presentes no momento de tomar uma decisão de compra nas lojas. Isto também indica que a equipa de vendas e a experiência de compra física enfrenta uma nova influência externa bastante significativa e determinante no ato da compra.

Analisando país a país, os clientes no México, Polónia e Turquia são os mais favoráveis a usar os seus telefones para entrar em contato com um amigo ou familiar para se aconselharem, enquanto estão no interior de uma loja, com 55, 53 e 52 por cento, respetivamente, confirmando que o fazem regularmente. Em comparação, os compradores no Japão, Indonésia e Alemanha são os menos propensos a fazê-lo, com apenas 16, 21 e 24 por cento respetivamente.

Homens e mulheres partilham tendência de tirar fotos dos produtos para efetuarem a compra mais tarde

Enquanto estão dentro das lojas, tirar fotos dos produtos que pretendem comprar é a terceira atividade mais popular entre os consumidores. Neste caso, os homens e as mulheres partilham de igual forma esta atividade, com mais de um terço (36 por cento). Sendo que, os adolescentes (15-19 anos) e adultos jovens (com idade entre 20-29) lideram este comportamento (44 por cento e 43 por cento, respetivamente), enquanto as idades compreendidas entre os 30-39 anos situam-se nos 39 por cento.

No que diz respeito aos países, os clientes no México (49 por cento), China (49 por cento) e Turquia (47 por cento) são novamente os que mais utilizam os telefones enquanto estão dentro das lojas. Em comparação, esta atividade ainda é praticamente nova em mercados como a Índia (12 por cento), Ucrânia (13 por cento) e Indonésia (16 por cento) – contudo esta tendência está a ser acompanhada de perto pelas marcas, visto que cada vez mais há um aumento da penetração de smartphones nestes mercados.

 

Fonte: GfK Global PR Study (Fevereiro 2015: Mobile behavior in store)

What shoppers do via mobile phone while in a store?

Francisca Azevedo
Portugal
General