Por favor, ative o JavaScript nas configurações do seu navegador para habilitar todos os recursos deste site.

Möchten Sie zur deutschen Seite wechseln?JaNeina
Fechar
X
Compartilhar esta página
Press release
Press|Financial Services|Trends and Forecasting|Global Study|Portugal|Portuguese

Novo estudo: “Aproveitar a vida hoje ou poupar para o futuro?”

25.05.2016

A principal preocupação para 43% dos homens portugueses é aproveitar a vida. Já 40% das mulheres está preocupada em garantir poupanças para o futuro.

  • Globalmente, nos 23 países analisados pela GfK, há uma divisão de opinião sobre o “aproveitar a vida hoje e preocupar-me com as poupanças e investimentos mais tarde” (12% concorda em absoluto mas 14% discorda em absoluto).

  • Portugal situa-se ligeiramente acima da média global, com 14% dos Portugueses a referir que “querem aproveitar a vida hoje e preocupar-se com poupanças e investimentos mais tarde”.

  • As mulheres estão mais inclinadas para a poupança, os homens um pouco mais divididos.

  • Os jovens são os maiores amantes diversão, face às restantes faixas etárias.

  • Hong Kong é único país onde a maioria prefere poupar hoje.

Globalmente, nos 23 países analisados pela GfK, há uma divisão de opinião sobre o “aproveitar a vida hoje e preocupar-me com as poupanças e investimentos mais tarde”. Mas observam-se diferenças entre países, género e faixas etárias.

 

Hong Kong é único país onde a maioria prefere poupar hoje

Hong Kong destaca-se como sendo o único país onde mais de metade da população demonstra que se preocupa com o “poupar agora”. Neste país, 54% dos inquiridos revelaram que discordam da ideia de aproveitar a vida hoje e se preocupar com a poupança e investimentos mais tarde. A República Checa ocupa o segundo lugar com 49% a discordar da ideia de aproveitar primeiro a vida e só depois poupar, seguido pelo Brasil com 45%.

Jovens ganham aos adolescentes em querer aproveitar a vida

Os inquiridos com idades compreendidas entre os 20-29 anos são os maiores amantes diversão, face às restantes faixas etárias. De acordo com a GfK, 41% concorda com a diversão no momento e remete para mais tarde as preocupações com as poupanças. Os adolescentes (15-19 anos) e os adultos com idade entre os 30-39 anos surgem praticamente em ex-áqueo, na 2.ª posição, com 37% e 36%, respetivamente. Cerca de quarto dos entrevistados (26%), com idades entre os 50-59 anos e mais de 60 anos também concordam com a máxima de “viver hoje”.

Os números mostram que a vontade de poupar no imediato regista um aumento progressivo junto dos vários grupos etários, à medida que a idade avança. Os adolescentes e os jovens dos 20-29 anos situam-se, ambos, nos 34%, enquanto a faixa dos 50-59 anos e as pessoas com 60 anos ou mais anos, registam os valores mais elevados, 43% e 42% respetivamente. Portugal depara-se com dois dados curiosos, os jovens portugueses são os mais “amantes de diversão” (18%), em comparação com os restantes países do estudo. Por oposição, os cidadãos portugueses mais velhos (+ 60 anos) são os que mais pensam em poupar (21%).

Estes resultados dotam as instituições que oferecem serviços financeiros de elementos úteis no que diz respeito às preferências nos diferentes países, faixas etárias e sexos para o tema dos produtos de poupança e investimentos, em comparação com os produtos que suportam a ótica do "viva hoje, como é o caso das contas de acesso instantâneo.

 

» Pode fazer aqui o download do estudo

Fonte: GfK Global Survey (Apr'2016: Enjoy life today).

Estudo global realizado junto de mais de 28 mil indivíduos, com idade superior a 15 anos, através de inquérito online e presencial (em Portugal). O estudo foi realizado em 23 países: Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, República Checa, França, Alemanha, Hong Kong, Itália, Japão, México, Países Baixos, Polónia, Portugal, Rússia, Coreia do Sul, Espanha, Suécia, Turquia, Reino Unido e EUA.  Em Portugal o estudo foi realizado junto de uma amostra de 1.250 indivíduos, proporcional à população Portuguesa com 15 e mais anos, sendo que a recolha da informação foi realizada através de entrevista pessoal e directa, durante o mês de Abril de 2016.

Francisca Azevedo
Portugal
General