Por favor, ative o JavaScript nas configurações do seu navegador para habilitar todos os recursos deste site.

Möchten Sie zur deutschen Seite wechseln?JaNeina
Fechar
X
Compartilhar esta página
Press release
Press|Public Services|Trends and Forecasting|Portugal|Portuguese

Quais devem ser as principais áreas de responsabilidade corporativa das empresas?

21.04.2016

Os Portugueses consideram que “Proteger a saúde e a segurança dos trabalhadores” deve ser a principal responsabilidade corporativa das empresas

“Providenciar bons empregos para as pessoas” (47%) é a principal preocupação dos consumidores de 23 países a nível mundial, mas para os portugueses o mais relevante é “Proteger a saúde e a segurança dos trabalhadores” (48%), segundo estudo da GfK, no que diz respeito às áreas de responsabilidade mais importantes das empresas.

Portugal destaca-se ainda dos restantes países por considerar muito relevante todas as questões de âmbito social, como ”Apoiar a comunidade local” (19%), “Ser responsável a nível de causas sociais” (18%), “Ajudar na educação das pessoas” (13%) e “Estar envolvida com instituições de caridade” (8%).

A nível global, completam o top 4 das preocupações a “Produção de produtos e serviços de qualidade” (41%), “Ser responsável a nível ambiental” (37%) e “Proteger a saúde e segurança dos seus trabalhadores (37%). A necessidade de “Proporcionar um bom retorno aos acionistas” é, em todos os países, a dimensão considerada menos relevante, situando-se nos 5 por cento.

Homens selecionam a responsabilidade social ambiental à frente da saúde e segurança dos trabalhadores

De uma forma geral, homens e mulheres concordam que “Providenciar bons empregos para as pessoas” (47 por cento das mulheres e 46 por cento dos homens) e “Produzir produtos e serviços de boa qualidade” (41 por cento cada) estão no topo da lista como as responsabilidades empresariais mais importantes.

No entanto existem algumas divergências nos restantes itens. As mulheres dão mais valor a “Proteger a saúde e a segurança dos trabalhadores” (40%) do que “Ser responsável a nível ambiental” (39%), enquanto para os homens verifica-se o oposto – 36% valoriza “Ser ambientalmente responsável” em comparação com 34% que escolhe “Proteger a saúde e a segurança dos trabalhadores”.

Significativamente, mais homens do que mulheres consideram “Investir em investigação, pesquisa e tecnologia", como um dos três itens mais importantes, na atualidade, na responsabilidade corporativa das empresas - situando-se nos 21% e 13% respetivamente.

Reino Unido e na Bélgica colocam “pagamento de uma parte justa de impostos "entre os três primeiros

O Reino Unido e a Bélgica afirmam-se pela forte posição dos consumidores em destacarem a importância das empresas no pagamento justo da sua parcela de impostos. Mais de um terço da população em cada país (36% e 35%, respetivamente) selecionando-a como uma das suas três opções - tornando-a o segundo ponto na Bélgica e o terceiro mais alto no Reino Unido.

A Suécia, China e Hong Kong têm os mais altos níveis de pessoas que veem que a proteção à saúde e segurança dos seus trabalhadores como um dos top 3 mais importantes na responsabilidade corporativa de qualquer empresa (50%, 47% e 46%, respetivamente).

Este estudo da GfK é uma ferramenta útil às empresas na garantia de investimento do seu orçamento de Responsabilidade Social Corporativa nas áreas que os consumidores mais valorizam.

Quais devem ser as principais áreas de responsabilidade corporativa das empresas?

Fonte: GfK Global Survey (Março'2016: Corporate Responsibilities)

Estudo global realizado junto de mais de 28 mil indivíduos, com idade superior a 15 anos, através de inquérito online e presencial (em Portugal). O estudo foi realizado em 23 países: Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, República Checa, França, Alemanha, Hong Kong, Itália, Japão, México, Países Baixos, Polónia, Portugal, Rússia, Coreia do Sul, Espanha, Suécia, Turquia, Reino Unido e EUA.  Em Portugal o estudo foi realizado junto de uma amostra de 1.250 indivíduos, proporcional à população Portuguesa com 15 e mais anos, sendo que a recolha da informação foi realizada através de entrevista pessoal e directa, durante o mês de Março de 2016.

Francisca Azevedo
Portugal
General