Möchten Sie zur deutschen Seite wechseln?JaNeina
Fechar
X
Compartilhar esta página
Press release
Ad Hoc|Retail|FMCG|Market Opportunities and Innovation|Shopper|Portugal|Portuguese

Portugal é um país Pet-Friendly

01.10.2015

Mais de metade dos lares portugueses têm pelo menos um animal de estimação

Cerca de 2 milhões (54%) de lares portugueses possui, pelo menos, um animal de estimação, um crescimento de 9 pontos percentuais em apenas 4 anos. Esta é uma das principais conclusões do estudo da GfK (GfKTrack.2Pets) que explica que esta tendência deve-se às alterações dos núcleos familiares, bem como à evidência de que os animais de estimação contribuem para o bem-estar físico e psicológico dos “donos”.

Estes números mostram que os animais estão a ganhar cada vez mais espaço dentro das habitações, verificando-se, ainda, que a grande maioria das famílias os considera como membros e parte essencial das suas vidas. Assim sendo, há também uma outra tendência que se destaca, o tratamento mais humanizado com os cães e gatos, que leva ao estabelecimento de uma ligação muito mais emocional e afectiva do que funcional. Tal como em muitos outros países, Portugal já regista, inclusivamente, mais cães e/ou gatos nos núcleos familiares do que crianças.

O estudo conclui ainda que praticamente metade dos cães são de raça (48%) e que as preferências vão para Caniche, Retriever de Labrador, Pincher, Pastor Alemão e Podengo Português. A crescer, está o número destes animais a viver dentro de casa (53%) e o facto dos portugueses adoptarem mais cães (15% face a 3% em 2011), apesar serem sobretudo oferecidos (56%).

Também nos gatos se verificam as mesmas tendências. 28% são de raça e no top 5 encontra-se Siamês, Europeu Comum, Persa, Azul Inglês de pelo curto e Azul da Rússia. Observa-se um crescimento muito acentuado de gatos adoptados (25% face a 3% em 2011) e, tal como acontece com os cães, estes animais vivem, maioritariamente, dentro de casa (64%).

Já no que respeita aos cuidados com os cães e gatos, em ambos os casos, os “donos” apresentam como principais factores de preocupação, a saúde e a alimentação. Não obstante, consideram também a higiene e o conforto.

Na saúde, é visível que cada vez mais se leva o “amigo de quatro patas” ao veterinário sobretudo para vacinação (91% no caso dos cães e 72% nos gatos), mas também para desparasitação interna/externa. Já na alimentação nota-se que está a diminuir o dar restos de comida (-32% nos cães e 40% nos gatos, face a 2011) e a privilegiar-se mais a alimentação seca (76% nos cães e 69% nos gatos). Em ambos, a comida é escolhida de acordo com a preferência/gosto do animal. Assim sendo, é na alimentação que os “donos” mais dinheiro gastam (60% nos cães e 61% nos gatos).

Para concluir, o GfKTrack.2Pet apresenta ainda o ranking dos países europeus com mais animais de estimação. Portugal posiciona-se no 12.º do ranking que tem no topo Rússia, França, Itália, Alemanha e UK. A nível mundial, os EUA surgem como o país mais “pet-friendly”, já que têm a maior penetração de animais de estimação com 65% dos lares a possuir, pelo menos, um.

Fonte: Estudo GfKTrack.2PETs Portugal (Vaga 2015)

O meu animal de estimação é...

Francisca Azevedo
Portugal
General