Möchten Sie zur deutschen Seite wechseln?JaNeina
Fechar
X
Compartilhar esta página
Press release
Press|Fashion and Lifestyle|Home Appliances|Media and Entertainment|Retail|Technology|Consumer Goods|Home and Living|Market Opportunities and Innovation|Trends and Forecasting|Global Study|Portugal|Portuguese

Novo estudo: “O que é que os Portugueses melhorariam nas suas casas?”

05.09.2016

Quando se fala em melhorias na casa, a decoração e/ou o design interior está no topo da lista.

De acordo com o estudo global da GfK "aspetos que as pessoas gostariam de mudar ou melhorar nas suas casas", realizado em 23 países:

  • Decoração (42%) e mobiliário (39%) são os aspetos que os portugueses mais gostariam de mudar ou melhorar nas suas casas, revela um estudo da GfK.
  • No final da tabela os portugueses colocam os aspetos relacionados com a organização da casa (16%), jardim e espaços exteriores (19%) e os equipamentos de entretenimento (21%).
  • A nível global, nos 23 países inquiridos, no que diz respeito ao género, as mulheres destacam a decoração (43%) e os homens o tamanho e espaço da casa (37%).
  • Por oposição, a opinião mulher vs homem mais divergente é nos equipamentos de entretenimento com 19% vs 30%, respetivamente

Equipamentos de entretenimento perdem relevância com a idade

De acordo com a GfK, os inquiridos com 60 ou mais anos são os que menos importância atribuem aos equipamentos de entretenimento (10%). Por sua vez, os adolescentes (15-19 anos) são os que maior importância atribuem a este aspeto a melhorar na sua habitação.

Os números mostram ainda que é na idade adulta, nas faixas etárias dos 30-39 anos, dos 40-49 anos e dos 50-59 anos, que aspetos como “tamanho e espaço da casa” e “mobília” ganham mais relevância. Sendo que aspetos como “decoração e design” são mais valorizados nas camadas mais jovens (15-19 anos, com 41% e 20-29 anos, com 45%).

Holanda, Japão, Alemanha, França e Bélgica são os mais satisfeitos com as suas habitações

A Holanda, o Japão, a Alemanha, a França e a Bélgica destacam-se dos restantes países inquiridos por terem as maiores percentagens de “não gostariam de alterar qualquer uma das áreas das suas habitações”.

O desejo de melhorar a decoração das suas casas é considerado muito relevante na Turquia e na Rússia, onde mais da metade da população online considerou este aspeto como o mais importante (56 e 55 por cento respetivamente). Já no que diz respeito ao tamanho das habitações, os países que se destacaram foram Hong Kong (50%), bem como a Rússia e Argentina (ambos 49%).

Relativamente às melhorias no mobiliário a Rússia volta a aparecer no top 3 como sendo um dos aspetos que os seus inquiridos mais consideram (54%), seguida da Turquia com 49%.

A Rússia e a China são os dois principais países onde as populações gostariam de mudar ou melhorar os seus aparelhos domésticos - situando-se nos 45% e 40% respetivamente. Já a Coreia do Sul (42%), Hong Kong e China (ambos com 37%) têm as maiores percentagens no que diz respeito à melhoria do nível geral de limpeza das suas casas.

Os inquiridos de Hong Kong apresentam-se novamente no topo da tabela quando questionados sobre as melhorarias relativas ao espaço para arrumação, com 47%, e também no que remete para a organização da casa, com 40%.

Quando questionados sobre as melhorias aos jardins, quintais ou outras áreas exteriores o país que lidera o ranking é o México (43%) seguido da Austrália (38%).

Nas melhorias dos equipamentos de entretenimento os inquiridos da China (34%) e do México (30%) destacam-se face aos restantes países do estudo da GfK

» Pode fazer aqui o download do estudo

Fonte: GfK Global Survey (Aug'2016: Home Improvement).

Estudo global realizado junto de mais de 28 mil indivíduos, com idade superior a 15 anos, através de inquérito online e presencial (em Portugal). O estudo foi realizado em 23 países: Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, República Checa, França, Alemanha, Hong Kong, Itália, Japão, México, Países Baixos, Polónia, Portugal, Rússia, Coreia do Sul, Espanha, Suécia, Turquia, Reino Unido e EUA. 

Em Portugal o estudo foi realizado junto de uma amostra de 1.250 indivíduos, proporcional à população Portuguesa com 15 e mais anos, sendo que a recolha da informação foi realizada através de entrevista pessoal e directa, durante o mês de Agosto de 2016.

Francisca Azevedo
Portugal
General